VIRALIZANDO NAS TELAS HÁ DEZ ANOS

O Instagram continua bombando ao sair da primeira infância, mas perdeu um pouco do encanto dos anos iniciais

Em 2010, havia uma certeza no Vale do Silício: a revolução móvel já tinha criado uma nova corrida do ouro entre os investidores dessa região da Califórnia. O futuro estava nos smartphones. Kevin Systrom e Mike Krieger, dois recém-formados de Stanford, conseguiram levantar dinheiro para desenvolver um aplicativo que compartilhava a localização entre amigos. Outros apps já faziam isso, mas o deles permitiria também postar fotos.  Sem conseguir convencer nem mesmo os amigos a usar o app durante a fase de testes, Kevin e Mike decidiram pivotar e focar apenas em fotos. Só que os celulares ainda tinham câmeras muito ruins e ninguém queria ter o trabalho de fazer upload de fotos das câmeras digitais. A solução? Filtros. Com eles, qualquer pessoa com um celular se sentiria capaz de fazer fotos boas o suficiente para serem compartilhadas. Era o começo do Instagram, que dois anos mais tarde — quando tinha apenas dois funcionários fixos, além dos fundadores — se tornaria o primeiro aplicativo para celular a ser avaliado em US$ 1 bilhão e, com isso, ganhar o rótulo de unicórnio. Foi essa a quantia que os dois sócios da startup receberam ao vendê-la para o Facebook em 2012. Na época, o valor parecia englobar todo o ouro que podia ser minerado no mundo das redes sociais. Hoje, o acordo de venda é conhecido como uma das maiores barganhas entre as aquisições do Vale do Silício.  Em dez anos, o Instagram atraiu mais de 1 bilhão de usuários fazendo posts com métricas bem precisas de popularidade. O aplicativo, que este ano completa dez anos de existência, retém uma fatia enorme da commodity mais valiosa da atualidade: nossa atenção. A trajetória de sucesso desse pioneiro app de fotos — que ganhou muitos outros recursos, inclusive o de compartilhar vídeos de até uma hora de duração — é contada em detalhes no livro No Filter (em português, “sem filtro”, ainda sem edição no Brasil), da jornalista Sarah Frier, especializada em redes sociais. A seguir, nossas entrevistas — feitas com exclusividade — com a autora do livro e com o atual COO do Instagram, Justin Osofsky, nomeado pelo Facebook para dar novos rumos à plataforma da felicidade e da beleza.

Gostou? Para ter acesso a essa reportagem completa e ao conteúdo integral da edição, acesse a Época Negócios pelo aplicativo Globo+, que está disponível na Google Store e na iTunes Store. 

GoogleStore.png
AppStore.png
NovoLogoEpocaNegociosMar2016_Branco.png