NEGWix_176_12.jpg
Mercado Bitcoin

 “PARA QUEM BUSCAVA ALGO INOVADOR, NÃO HAVIA DESAFIO MAIOR”

Criada em 2013, quando falar em criptomoeda era um delírio, a fintech soube aproveitar a vantagem de largar na frente

Gustavo Chamati tinha 31 anos em 2013 quando ficou fascinado com uma matéria de revista sobre bitcoin. Na época, era CFO de um escritório de advocacia, mas queria deixar o emprego para empreender. “Não entendia o conceito de moeda digital, mas fiquei interessado”, conta. Seu sonho, desde os tempos de estudante de administração de empresas na Universidade de São Paulo, era montar do zero uma empresa inovadora.
Juntou suas economias com as do irmão Maurício e abriu o Mercado Bitcoin, hoje a maior plataforma brasileira de negociação de ativos digitais. Gustavo cuidava do negócio e Maurício da tecnologia. De lá para cá, a dupla surfou nas enormes ondas – muito mais de alta que de baixa – que o bitcoin vem experimentando até hoje. Com 3 milhões de clientes e valor de mercado estimado em US$ 2,1 bilhões, o Mercado Bitcoin se tornou unicórnio em julho último.
Em 2019, os dois irmãos deixaram o comando do Mercado Bitcoin e estão no conselho da holding controladora. Abaixo, Gustavo conta um pouco da história da empresa e responde se ficou mais rico pelo negócio ou acumulando bitcoins.

GloboMais.jpg

Gostou? Para ter acesso a essa reportagem completa e ao conteúdo integral da edição, acesse a Época Negócios pelo aplicativo Globo+, que está disponível na Google Store e na iTunes Store. 

GoogleStore.png
AppStore.png