NEGWix_176_4.jpg
Ebanx

“É A SENSAÇÃO DE CORRER UMA MARATONA”

Tornar-se unicórnio, para o confundador da Ebanx, Wagner Ruiz, aumenta a adrenalina – mas o efeito passa rápido. O dia seguinte já é de pensar na próxima conquista

O começo da história do Ebanx, empresa que atua com pagamentos na América Latina, foi marcada por um episódio que, hoje, é interpretado como “aprendizado fundamental” na história da fintech fundada em Curitiba por Alphonse Voigt, João Del Valle e Wagner Ruiz. Mas poderia ter significado seu fim antes que pudesse começar. Em 2012, o Ebanx dava seus primeiros passos e foi aceito no processo de seleção dos Empreendedores Endeavor que ocorreria em Miami. A apresentação não ia bem. Alphonse, João e Wagner não tinham informações sobre o negócio nem conseguiam explicar o projeto. Até que um dos mentores da banca disse:
— No mundo, existem dois tipos de pessoas: os líderes e os seguidores. Para mim, vocês parecem apenas seguidores.
Parecia o fim. Mas havia um jantar à noite – a última oportunidade de aprovação. Depois de muitas conversas, eles conseguiram mostrar a viabilidade do negócio. O Ebanx foi aceito. Ali se iniciava a trajetória para se tornar uma empresa de pagamentos presente em 15 países da América Latina, que já intermediou o pagamento de cerca de 70 milhões de consumidores em sites como Airbnb, AliExpress, Spotify e Uber e se tornou unicórnio em 2019. “Dá adrenalina, mas passa logo”, afirma Ruiz. 
O trio se conheceu de maneira peculiar. O advogado Voigt conhecera Ruiz num curso de filosofia e desenvolvimento mental. Wagner era o professor, trabalhava no mercado financeiro e já tinha fundado outras oito empresas. Alphonse, atualmente presidente do conselho de administração, apresentou a ideia do Ebanx. Wagner aceitou e começou a pensar em viabilizar o negócio. Os dois bateram à porta de dez bancos. Um aceitou e, juntos, criaram o modelo de negócios para processamento de pagamentos. Depois disso, faltava alguém para cuidar da parte de tecnologia. Era Del Valle, apresentado por um amigo, sócio de uma empresa de tecnologia em Curitiba. 
A rodada de investimentos mais recente aconteceu em junho de 2021, na qual a companhia levantou US$ 430 milhões, liderada pela Advent International. O cofundador Wagner Ruiz, atualmente chief risk officer da empresa, falou a Época NEGÓCIOS. 

GloboMais.jpg

Gostou? Para ter acesso a essa reportagem completa e ao conteúdo integral da edição, acesse a Época Negócios pelo aplicativo Globo+, que está disponível na Google Store e na iTunes Store. 

GoogleStore.png
AppStore.png